Um Tour pela Amazônia em Apenas Um Dia

Postado por
Passeio-Manaus-03

Esse é o seu José e a equipe da Cooptur

 

A Nossa Amazônia é além de uma região, é um estado de proporções continentais, e não é modo de falar não, dentro do nosso estado caberia o Equador ou muitos outros países europeus. Além do tamanho, outro ponto incrível é que 93% do transporte realizados é por  via marítima. No meio da Floresta Amazônica o jeito mesmo foi estacionar a Kombi e pegar uma lancha para navegar pelas águas do Solimões e do Rio Negro.

Nosso passeio foi com a Cooperativa de Turismo do Mercado, seu José foi quem nos recebeu, depois embarcamos no Lopes 2008 começou o nosso dia de aventuras pelos rios da Amazônia.

 

1ª Parada – Encontro das ÁguasPasseio-Manaus-11

Quando chegamos o Guia Max começou a explicar que essa é considerada a 8ª Maravilha do Mundo pela Unesco, o encontro das Águas é algo que dificilmente acontece. Muitas pessoas, como eu já ouviram sobre ele, a divisão do Rio Negro que vem da Colômbia e do Solimões que vem do Peru acontece pois essas águas são muito diferentes. Tanto na densidade, na temperatura, na velocidade, na direção do fluxo de águas e na cor.

Passeio-Manaus-12Passeio-Manaus-13Mas mesmo já tendo ouvido inúmeras vezes sobre isso, ver realmente é incrível. Tem certos tipos de atrações e maravilhas da terra que para ter a dimensão você tem que estar sobrevoando, como as linhas de Nazcar. Mas aqui no encontro das águas é diferente, pois você esta parado em frente a um zigzag interminável.

De um lado a água Negra do Rio Negro, super profundo e com peixes muito diferentes e do outro o Solimões, mais claro e mais tranquilo. Essa foi a primeira parada e só esse visual ida já havia valido o dia.

2ª Parada – Pesca do Pirarucú e Feira de ArtesanatoPasseio-Manaus-20

Antes que nossos leitores conscientes saltem para falar que o Pirarucu esta correndo risco de extinção, nós explicamos. Não é uma pesca de verdade, eu estava segurando uma vara grossa com um peixe amarrado na ponta da corda, sem anzol. Depois, esses Pirarucus são o resultado de criadores da região, que agora em vez trabalhar com a pesca do Pirarucu trabalham com a procriação deste peixe. Agora vamos para a parte incrível.

Imagine um peixe que pesa 80km, isso mesmo e esse nem é um dos maiores, pois esse peixe de água doce que é um dos maiores do mundo, pode chegar a 160 kg e tem gente que diz que até um pouco mais. Eu estava “pescando” um peixe que em peso, superava o meu.

Passeio-Manaus-21Coloquei a isca perto da água, mas não dentro pois sei que esse peixe pula e abocanha a presa, então de repente zap, senti aquela força me puxando e a água sacolejando e quanto mais eu tentava segurar, mais o peixe puxava, então por um segundo eu consegui tirar metade do peixe da água, ele voltou a mergulhar e a corda saltou para cima pois ele já havia arrancado a isca e eu estava apenas com uma vara e a corda não mão. Um lindo peixe, incrível e estranhamente grande.

Esse é o meio do flutuante onde fizemos a “Pesca do Pirarucu”.  Basicamente é como se fosse uma piscina só que as paredes e o piso tem passagem de água o que faz com que os peixes fiquem nesse tanque inserido no rio.

Nesse mesmo flutuante também passeamos pela primeira Feira de Artesanatos, uma coisa mais linda que a outra. Colares, pulseiras, bonecos feitos de porongos e muitas caretas. Como nossa casa é pequena, só podemos levar são as fotos de lembrança.

3ª Parada – Vila FlutantePasseio-Manaus-17

Nesse ponto da viagem baixaram os motores da lancha, então o guia começou a nos explicar, que entravamos na vila flutuante e que para não danificar as casas ali só era permitido navegar assim. Nessa vila ou as casa são flutuantes ou são de palafita.

As Flutuantes são as que estão em cima da água. Sua estrutura é construída em cima de troncos que duram até 40 anos dentro da água, mas por incrível que pareça se tirados dela ressecam em 5 anos. Essa foi maneira que a população ribeirinha encontrou para lidar com o fato de estar numa região de alagamentos.

Passeio-Manaus-16Com essas casas além de poderem mudar o local onde moram, locomovendo a casa, eles ainda acompanham a subida dos rios, nunca distanciando se da beira dágua, principal fonte de Proteína do Ribeirinho.

As outras casas são as de palafitas, essas são casas fixadas na terra mas suspensas assim evitando que a água invada, na época de cheia. É mesa surpreendente a Arquitetura amazônica.

 

4ª Parada – Trilha até a Vitória Régia e Almoço Regional da AmazôniaPasseio-Manaus-26

Antes do almoço fizemos uma rápida trilha sobre uma ponte de palafitas, para chegar a um lindo recinto cheio de victoria régias, e como todo na Amazonia, essa planta é gigante, sua folha chega ater dois metros de largura e suporta até 4 quilos sobre ela, mas nem pense em por nada sobre ela, pois ira ficar repleto dos espinhos que existem em sua superfície. Uma coisa muito legal dessa planta é que dela nasce uma batata que esta em baixo da terra, lá no fundo do igarapé que esta ligado a ela por suas raízes.

Passeio-Manaus-29Passeio-Manaus-32Em todo passeio nós normalmente somos os últimos a voltar, ficamos sempre ao máximo para tirar o máximo de fotos e normalmente quando todos se vão é que acontecem lindos momentos, como foi a visita desse pequeno macaco curioso que saltava ao nosso redor.

Dai depois desse encontro, fomos direto para o almoço regional e que almoço. O Restaurante Flutuante Selva Amazônica serve todos esses peixes deliciosos, como o Pirarucu e o Tambaqui, além de uma variedade se saladas e frutas que deixaram os chineses de outro passeio maravilhados.

5ª Parada – Visita a uma Comunidade IndígenaPasseio-Manaus-41

Passeio-Manaus-42Essa parada foi pra lá de interessante, pois fomos visitar uma comunidade indígena, fomos recebidos pelo Cacique da tribo que falou sobre sua cultura e sobre a Tribo tudo em uma língua nativa que nós não entendemos nada, depois ele falou em Português e nos explicou um pouco sobre a visão sobre o mundo indígena.

Depois fizeram um apanhado de danças tradicionais e nos explicaram sobre quando uma tribo vem visitar outra e eles passam 24 horas dançando e cantando musicas que enaltecem os seres animais e os seres humanos. E na última dança os homens da tribo chamavam algumas mulheres para dançar e as mulheres alguns homens e adivinha quem foi chamada, euzinha! Confere ai minha dança indígena.

 

6ª Parada – Passeio nos Igapó e IgarapéPasseio-Manaus-37

Ig quer dizer água e apó quer dizer floresta, então floresta de água, esse é o nome que se da a essa parte da mata que em época de chuvas fica alagada, e além disso existe os Igarapés que são os caminhos que surgem entre a mata, a verdadeira estrada das lanchas e canoas. Passeio-Manaus-36

6ª Parada – Nadando com os BotosPasseio-Manaus-51

Aqui sempre foi um lugar muito tradicional da pesca, mas não só da ação também era onde limpavam e tratavam os peixes, acostumado com essa fartura foi natural que os botos se acostumassem a vir se aproveitar um pouco dos pescados, hoje não se pesca mais, mas a tradição de alimentar os botos continua, para nossa alegria que pudemos estar com eles mais uma vez tão pertinho.

 7ª Parada – Ponte Rio Negro

Passeio-Manaus-52

Passamos duas vezes por baixa dessa incrível ponte, a única que atravessa o Rio Negro e uma das maiores do Brasil nesse estilo, o Estaiado. Uma visão espetacular para fechar com chave de ouro o nosso dia navegando na Amazônia.

Resumão do Passeio

Local de embarque e desembarque: Em Frente ao Mercado Adolfo Lisboa

Empresa: Cooperativa de Turismo do Mercado
Contato: José Coelho
Telefones: (92) 99133-8420 /  (92) 98133-6720

Dias que saem o passeio: Terças, Quintas, Sextas, Sábados, Domingos e Feriados

Horário de Embarque: 08:30  - Horário de Saída da Lancha: 09:10 
Retorno: Entre 16:00 e 17:00

Atrações: Encontro das Águas;
          Pescado Pirarucu;
          Feira Artesanal;
          Vila Flutuante;
          Trilha até a Vitória Régia; 
          Almoço Regional;
          Visita a Comunidade Indigena;
          Nadar com os Botos Cor-de-Rosa;
          Passeio nos Igapó e Igarapé;
          Passagem pela Ponte Rio Negro.

Se vocês curtiram as fotos vão amar o passeio, então é só marcar sua próxima viagem para Manaus e falar com o seu José, pode deixar a Aventura por conta dele!

Para a Galeria clique aqui!

Esse artigo foi patrocinado pela Cooperativa de Turismo do Mercado

Sou uma Kombinet muito estilosa, Laranja Granada. Viajo contornando a América do Sul com o Rodrigo e a…

Se você leu esse post e conseguiu:

  • Se sentir a dentro de nossa Kombinet vivendo essa história com a gente;
  • Alguma dessas informações te foi útil
  • Se inspirar a fazer alguma coisa
Então clica no botão ao lado e nos faz uma doação. 

 

Blog Post Location

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *