A primeira fronteira Brasil-Uruguay

Postado por

Logo de manhã cedo fomos resolver algumas coisas antes de atravessar a Fronteira, a primeira delas era a sinaleira traseira que não estava acendendo a segunda coisa que deveríamos ver era a carta Verde. A Carta Verde é um documento obrigatório para entrar nos países da América do Sul, como Uruguai, Argentina, Chile e Paraguai.

Normalmente ele é vendido por períodos. Você deverá faze-lo para poder sair com seu carro do Brasil. Ele funciona como o seguro obrigatório que pagamos todos os anos quando renovamos os documentos do nosso carro, mas é somente válido fora do Brasil.

Você poderá fazer direto na seguradora do seu carro, mas como nossa Kombinet tem mais de 20 anos é difícil conseguir fazer o seguro. Outro ponto que nos dificultava fazer o documento era que não sabiamos ao certo que dia iríamos chegar no Uruguai, no nosso planejamento inicial deviríamos estar entrando lá pelo dia 15 e já era dia 27 isso quer dizer que se tivéssemos feito antes perderíamos alguns dias, isso seria m investimento em vão.

a-primeira-fronteira-02

Conseguimos comprar o documento para 90 dias por R$ 495,00, a um valor muito bom. Você que chegar no chuí e ir direto na Galega que fica em um casa de madeira bem na entrada da cidade, além de ter um bom preço a carta verde dela é direto com a seguradora e não passa por atravessadores.

Por isso vimos que foi a melhor opção deixar pra fazer lá. Fora que o preço na fronteira é muito mais acessível. Era sábado pela manhã e a maioria das casas que faz esse documento estava fechada. A dica para quem vai entrar é chegar entre terça e quarta, pois parece que nesses dias da semana vem uma equipe da cidade de Rocha para fazer o seguro anual a um custo muito baixo. Só que terça e quarta seria Reveillon e não quisemos arriscar esperar.

Com o Documento em mãos fomos direto a fronteira. Era uma alegria íamos passar nossa primeira fronteira, não sabíamos como seria. A única coisa que pairava no ar era a insegurança de não poder entrar com a comida. Normalmente nas aduanas existe uma barreira sanitária que impede que se entre com grãos, madeira e produtos que excedam a cota de compras.

Não tinhamos nem madeira, nem compras como bebidas essas coisas, mas tinhamos grãos e muita comida que se ficasse na fronteira iria nos fazer falta.

Mas no fim a passagem foi sem muita cerimonia. Não sabemos se foi sorte, se foi porque era quase fim de ano, mas a verdade é que precisamos preencher um formulário com quatro perguntas, apresentar a Identidade ou o passaporte (usamos o passaporte pois temos que dar saída do país e entrada em um outro que não o de origem e também porque queríamos o carimbo). Depois eles dão o carimbo e você vai e pega seu carro e se dirige ao posto da fronteira.

Escolhemos a guarida e dedos cruzados, eles pedirão o documento do carro os passaportes, perguntaram quem era a Daniela dona do carro, apresentamos o documento dela e pronto podem seguir viagem, sem revista, sem preguntas, apenas um bom viagem. Ok lá fomos nós estávamos finalmente em Solo Uruguaio.

Brasil, nosso país tão querido, logo estaremos de volta, vai demorar um pouco, pois só entraremos de novo em terras tupiniquins daqui a muitos meses. Agora estamos fora da nossa zona de conforto, pela primeira vez nesse país que temos tão boas expectativas. Que vengan las playas uruguayas. Hasta Leugo Brasil.

Se você leu esse post e conseguiu:

  • Se sentir a dentro de nossa Kombinet vivendo essa história com a gente;
  • Alguma dessas informações te foi útil
  • Se inspirar a fazer alguma coisa
Então clica no botão ao lado e nos faz uma doação. 

 

Blog Post Location

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *